sexta-feira, 19 de junho de 2009

Casamento

Hoje minha queria amiga Ju comemorará um novo passo em sua vida, aquele passo que muitas pessoas sonham em dar. Ela encontrou aquele homem que a faz mais do que feliz e com quem ela quer compartilhar o resto de sua vida. E eu fico muito feliz por ela e desejo a maior felicidade do mundo e sempre muita sabedoria para lidar com os momentos menos felizes.



Jujuuuu, parabééééns!!! Adoro muito você e espero que o Fá te faça muito feliz, senão eu bato nele! XD





domingo, 14 de junho de 2009

Piorar para melhorar

Estava lendo o jornal hoje e tinha uma matéria com esse mesmo título do post. Pra falar a verdade, nem li pois fiquei pensando sobre o assunto e eu mesma cheguei à conclusão de concordar, bom, pelo menos com o título.

Já passei pelo dilema do "faço ou não faço?", aquelas situações em que você não está exatamente onde quer, mas que se você tomar uma atitude, estará andando para trás. É uma decisão muito difícil de se tomar, e por isso, às vezes a gente acaba ficando infeliz por muito tempo só pelo medo.

Uma vez eu vi uma frase que dizia "muitas vezes é preciso dar um passo para trás para podermos ir em frente". Devo dizer que só depois de muito tempo fui ver a verdade nela. Quantas vezes você já se deparou num emprego no qual você estava terrivelmente infeliz mas não quis sair por medo de não arrumar outra coisa depois? Ou esteve preso em um relacionamento que te fazia mal, mas não quis terminar por medo de ficar sozinho e não encontrar outra pessoa depois? Me diz, o que vale mais a pena? Ser infeliz o resto da vida ou tentar fazer algo pra melhorar?

Quem não arrisca não petisca! É preciso fazer uma análise da situação e não ter medo do que pode acontecer. É como uma viagem de carro, você pode errar o caminho e ter que fazer o retorno, voltar para trás pra seguir em frente trilhando o caminho correto. Não deu certo por aqui? Vamos por ali! Você já está na pior mesmo, que mal fará piorar um pouco mais se mais pra frente as coisas podem ficar mil vezes melhores?

sábado, 6 de junho de 2009

Desabafo contra adultos irresponsáveis




Ontem fui ao teatro assistir à um concerto de uma orquestra que executaria Kindertotenlieder de Gustav Mahler e Requiem de Wolfgang Amadeus Mozart.

Sentei-me com meu namorado nas galerias, bem em frente ao palco, e do alto, podia ter uma visão bem clara de todos os músicos. Ao meu lado, sentou-se um casal com seu filho que parecia ter no máximo 2 anos de idade.

Durante a apresentação de Kindertotenlieder, o barítono Vinícius Atique foi quem interpretou as canções. Para quem não conhece, esta obra é uma composição musical para os poemas de Friederich Rückert: Canções sobre as Mortes das Crianças. Pelo título pode-se notar que as canções teriam um tom extremamente melancólico, nada atrativo para uma criança em si. Ao ver o casal chegando com o pimpolho, revirei os olhos já imaginando que ele não agüentaria ficar sentadinho e quietinho e minhas previsões se tornaram realidade umas três músicas depois.

Podia-se ouvir o garoto chutando os bancos da galeria, que são feitos de madeira, imaginem que som agradável. Pelo menos a mãe do garoto deve a noção de pegá-lo no colo, o que iniciou a cadeia de gritos e choros. Estávamos no alto e bem longe do palco, mas pude notar na expressão facial do barítono um certo desconforto, aquela vontade de parar de cantar e mandar o garoto calar a boca. Logo, os olhares de quem estava por perto se voltavam para a criança e via-se as cabeças de quem estava lá embaixo se voltando para cima procurando o som incômodo.

Engraçado, se eu que nem conhecia o fedelho já soube logo de cara que ele faria isso, porque os pais não conseguiram imaginar o mesmo antes de comprar os ingressos sem conseguirem uma babá? Não me levem a mal, sou totalmente à favor de incentivar crianças à apreciarem a cultura, mas acho que se deve ter a consciência de que crianças dessa idade são agitadas, querem mexer em tudo, brincar, explorar, tem certos lugares que não tem condições de se levar um ser de 2 anos. Sei que pessoas acima de 10 acham teatros de Chapéuzinho Vermelho, Bela e a Fera e afins são um saco, mas esse tipo de evento é mais agitado e se espera crianças gritando.

E ainda vejo pais levando bebês de poucos meses à bailes de formatura e colações de grau!! Bailes começam praticamente à meia noite, horário que os pequenos já deveriam estar na terra dos sonhos, e ainda por cima o ambiente tem um som altíssimo que incomoda criancinhas, que em quinze minutos já começam a chorar de sono e irritação, obrigando os pais à irem embora, disperdiçando o convite do formando que poderia ter sido melhor aproveitado por outra pessoa. E muito bonito ouvir o discurso do orador da turma ou o cara chamando o formando pra receber o diploma com o som de um choro ao fundo.

Por favor pais, sejam mais responsáveis e tenham consideração com as outras pessoas vai!