quinta-feira, 5 de agosto de 2010

10 razões para não elogiar seu namorado


10 razões para você não ficar falando que seu namorado é o mais lindo, mais fofo, mais esperto e melhor do mundo!

1) Vai que ELE acredita... e fica convencido por causa disso!

2) Vai que ELE acredita e ache que você não tá no nível dele!

3)Vai que ELAS acreditam... e aí você é obrigada a ficar aguentando mulher no pé dele.

4) Vai que ELES acreditam... do jeito que o mundo tá gay, não vamos ficar abrindo concorrência. Hahhaha.

5) Vai que VOCÊ acredita e acha que nunca mais pode perdê-lo, que é impossível viver sem ele...

6) Vai que ele começa a achar que pode em cima de você e começa a "pisar" achando que não vai te perder, afinal ele é a última bolacha do pacote!

7) Vai que ele te acha um grude e desiste de você. (Sabe como homem é... quando tá fácil, perde o interesse ahahahah)

8)  Vai que ele comece a usar isso contra você futuramente:  "O que? Você tá duvidando de mim? Eu não sou o melhor namorando do mundo? Não tem razões para você duvidar de mim, ou você mentiu quando disse isso????"


Por falar em MENTIR...

9)  Vai que os outros ouvem e aí sim começam a te chamar de mentirosa, surda, cega... (Aquele ali é bonito??? Aonde???) ahahahhahah



E principalmente:

10) Porque se você falar isso o tempo todo não vai ter o que escrever nos cartões nas datas comemorativas pois tudo já foi dito. (Experiência própria).

Ahhahahahaha.


*Um post rápido e imbecil, que saiu de uma conversa com a minha irmã hahahaha. Aliás, ele não está baseado em ninguém, qualquer semelhança com a realidade é fruto de uma coincidência pretensiosa.*

Resumo: Os Segredos da Mente Milionária


Escrito por T. Harv Eker, com uma leitura fácil e rápida, Os Segredos da Mente Milionária é um livro contagiante que está até hoje nas listas de "mais vendidos" em todas as livrarias do país. O livro além de ser uma introdução básica de finanças, ensina o leitor à se policiar na adminitração do dinheiro.

Basicamente o livro defende que o Segredo de Enriquecer consiste exclusivamente em  TER UMA MENTE MILIONÁRIA, em outras palavras "pensar como as pessoas bem sucedidas e copiar seu jeito de agir". 

Existem pessoas que tem certa resistência a ler livros de auto ajuda, mas este posso afirmar que é bem diferente. É um livro que indico a todos, independente da idade e da situação financeira que se encontra. Ele tem alguns pontos chaves de livros de auto ajuda como a afirmação constante "Eu tenho uma mente milionária", mas é só ignorá-los... ou não né.


Os Segredos da Mente Milionária
De T. HARV EKER


O livro divide-se em duas partes, a primeira te ensina a modificar o seu MODELO DE DINHEIRO e a segunda, ensina a SUBSTITUIR pensamentos "pobres" por  pensamentos "ricos".




1ª Parte: O Modelo de Dinheiro


Modelo de dinheiro é toda a informação financeira que recebemos durante nossa vida, desde a infância até os dias de hoje - e claro, vindas quase que exclusivamente de nossos pais. Logo, você está programado a agir exatamente como foi ensinado ao passar dos anos.

Segundo Harv, em matéria de dinheiro tendemos a ser idênticos aos nossos pais - a um em particular ou a uma combinação dos dois. Mesmo que você tenha toda a qualificação do mundo, se o seu modelo não estiver programado para o sucesso, você estará condenado financeiramente.

Para exemplificar ele cita a existência de um TERMOSTATO FINANCEIRO. Ele diz que todos nós temos um dentro de nós e que agimos de acordo com ele. Para explicar melhor, imaginem um ar condicionado. Você regula a temperatura do ar para 20º. Suponhamos que o dia esteja frio: 15º. O ar rapidamente o condiciona para 20º. Suponhamos que esteja quente: 30º, rapidamente o ar o resfria condicionando novamente para 20º, certo?

Segundo Harv é o que acontece conosco: Somos condicionados a ganhar exatamente o que "regulamos em nosso termostato". Se ganharmos menos do que o condicionado, logo damos um jeito de ganhar mais. Porém se ganharmos mais do que o condicionado, inconscientemente nos condicionamos a perder tudo.

Portanto, se nosso termostato financeiro também estiver condenado ao insucesso, assim como nosso modelo de dinheiro, estaremos condenados financeiramente.

Harv ensina então exercícios de DISSOCIAÇÃO em que aprendemos a identificar todos os nossos possíveis erros e traumas financeiros causados por nossa PROGRAMAÇÃO e dissociá-los para que passemos a agir de uma forma bem sucedida.


Entre inúmeras lições acho duas coisas que ele fala muito interessantes:

1) Nenhum pensamento mora de graça na cabeça de ninguém;
Harv diz que nossos pensamentos são investimentos ou custos. Ou levam a pessoa na direção da felicidade e do sucesso ou a afastam dessas duas coisas... Ou fortalecem ou enfraquecem. Logo... Ressentimento, ódio, vingança, inveja são completamente destrutivos para uma vida serena e Milionária.

2) Nada tem significado exceto o que nós mesmos damos às coisas;
 Achei isso muito interessante por nós somos cheios de ACHISMOS e significados partidos do nada. A maioria de nós forma pré-conceitos de pessoas e situações que não são necessariamente verdadeiros e geralmente que não trazem coisas boas.

Vou dar um exemplo, por algum motivo achamos que alguém não gostou de nós, então exatamente TUDO que essa pessoa fizer, por mais que seja coisa boa, vamos interpretar com maus olhos. Logo, o problema está em nós.


-->

2ª Parte: Arquivos de Riqueza

Para facilitar o entendimento, Harv diz metaforicamente que nossa mente é  arquivos com diversas pastas contendo informações. Cada vez que nossa mente precisa resolver uma situação ela procura as informações existentes para solucionar os problemas. Portanto ele diz que devemos colocar em nossas pastas apenas arquivos de riqueza.

Para entendermos isso ele conta uma piadinha sobre a mulher dele. Ele diz que certa vez , sua esposa chegou em casa com uma bolsa lindíssima que viu em promoção no Shopping. Na mente dela ela havia feito um ótimo negócio, afinal, comprou uma bolsa que valia 200 por 100. Pura economia!. Daí ele brinca: "Se ela tivesse em seu arquivo de riqueza 'quando estiver com dívidas no cartão não gaste', com certeza ela não iria comprar a bolsa, principalmente porque não precisava dela".  


Então ele conclui que se sua mente tiver arquivos favoráveis para seu sucesso financeiro, você tomará, de maneira natural e automática, decisões que conduzam a isso.



Esses são os arquivos de riquezas (pensamentos) das pessoas ricas:

-->



Arquivo nº 1
Pensar "Eu crio minha própria vida" ao invés "Na minha vida as coisas acontecem"

Aqui ele diz que devemos tomar as rédeas da nossa própria vida ao invés de esperarmos as coisas acontecerem. Também ensina que se fazer de vítima é uma caracteristica que jamais fará alguém enriquecer.






Arquivo nº 2
Pensar "Entro no Jogo para GANHAR" ao invés "Entro no jogo para não perder"
Neste arquivo de riqueza ele condena que as pessoas não tomam decisões de risco em sua vida e não almejam coisas grandes porque têm medo de não conseguir, ou de perder caso consiga.





Arquivo nº 3

Pensar "Eu assumo o compromisso de ser RICO" ao invés "Eu gostaria de ser Rico"
Neste trecho ele comenta que muitas pessoas enviam mensagens contraditórias pois não estão certas de que querem ser ricas. Umas pensam: "e se eu perder tudo?" outras pensam "e se as pessoas só se aproximarem de mim por interesse?". Logo, quem envia tais mensagens jamais conseguirá enriquecer.

E ele também diz que ser rico exige foco, determinação, coragem, especialização e não desistir jamais. Logo, você precisa estar comprometido com o sucesso para poder alcançá-lo.




Arquivo nº 4

Pensar "Grande" ao invés "Pequeno"
Segundo Harv, sua remuneração se dará de acordo com o valor que você agrega ao mercado. Se você ajuda um número pequeno de pessoas, receberá pouco. E vice e versa. E aqui ele diz que o mundo precisa de alguém que pense grande.



Arquivo nº 5

Focalizar"oportunidades" ao invés de "obstáculos"
Bem, acho que o título já diz tudo...




Arquivo nº 6

Pensar "Eu admiro os bem sucedidos" ao invés "Eu não gosto dos bem sucedidos"
Como você pode ser algo que despreza? Harv também diz que assim como existem ricos bons, existem ricos ruins... Que o dinheiro apenas intensifica aquilo que você já é.

Outra coisa importante que ele diz é que você pode continuar menosprezando uma pessoa rica, mas isso não fará diferença nenhuma na riqueza dessa pessoa. No entanto fará toda a diferença para você. Lembre-se que todo pensamento não mora de graça na cabeça de ninguém...



Arquivo nº 7

Buscar "Companhia de Bem sucedidos" ao invés "companhia de ressentidos"
Harv diz que é bom andar sempre andar com pessoas bem sucedidas pois você absorverá sua forma de pensar, de agir, de ver a vida. Do mesmo modo que pessoas negativas tendem a trazer cargas ruins.

Outra coisa, você deve evitar ao máximo situações destrutivas (discutir, fofocar, falar mal pelas costas) e para não perder tempo tendo mudar pessoas negativas e sim usar o que aprendeu para melhorar a si mesmo e sua vida.


Arquivo nº 8

Gostar "de se promover" ao invés "detestar auto promoção"
Harv salienta que "não gostar de autopromoção é um dos grandes obstáculos ao sucesso.Pois como alguém pode obter sucesso se não está disposto a deixar os outros saberem que você existe?" As pessoas ricas geralmente são líderes e todo grande líder é excelente em autopromoção. Portanto, deve ser capaz de convencer, inspirar e motivar os outros a adotar as suas idéias.  Se você acreditar que o que tem a oferecer pode ser verdadeiramente útil para as pessoas, terá grandes chances de ficar rico".



Arquivo nº 9

Ser "Maior que seus problemas" ao invés "seus problemas serem maiores que você"
Harv afirma que se você tem um grande problema é porque está sendo uma pessoa pequena. As pessoas bem sucedidas são maiores que seus problemas pois concentram-se nas metas e não nos obstáculos. O grande sucesso é não é tentar evitar os problemas nem se esquivar ou se livrar deles, mas crescer pessoalmente para se tornar maior do que qualquer adversidade.


Arquivo nº 10

Ser "um excelente recebedor" ao invés "de um péssimo recebedor"
Muitas pessoas no fundo não se sentem merecedoras do sucesso. Em geral as pessoas carregam o sentimento de não estarem o tempo todo à altura dos seus elogios e das suas expectativas.O que só é verdade se você achar que é.


Arquivo nº 11

Receber"remuneração por resultados" ao invés "fixo mensal"
A não ser que seu FIXO seja muito alto, uma pessoa remunerada mensalmente estabelece um teto para seus rendimentos, ela nunca ganhará mais do que aquilo, independente de trabalhar mais ou menos. O autor sugere que você procure um forma de ser remunerado de acordo com o que produz, seja em forma de comissão, seja abrindo algum negócio, enfim.


Arquivo nº 12

Pensar em "ter as duas coisas" ao invés de "ou uma coisa ou outra"
As pessoas bem sucedidas procuram achar meios de possuir sempre "as duas coisas". Pessoas mal sucedidas sempre acham que precisam escolher "a felicidade ou o dinheiro?", "meu trabalho ou minha família", etc. O autor faz outra piadinha: "o que é mais importante: sua cabeça ou seu braço? as duas coisas".



Arquivo nº 13

Considerar "Patrimônio Líquido" ao invés de apenas "o valor do Holerite"
As pessoas geralmente focam no valor mensal recebido (o Holerite). Porém a verdadeira maneira de medir riqueza é através do Patrimônio Líquido.

Os fatores determinantes para aumentar o Patrimonio Líquido são:
1.) Rendimentos (o que você recebe. Podem ser ativos ou passivos.)
2.) Poupança (o que você poupa, jura?)
3.) Investimentos (o dinheiro poupado que você investe, para trazer retorno)
4.) Simplificação (quando você simplifica seu modo de vida de uma forma que você gaste menos. Em curtas palavras: economiza.)



Arquivo nº 14

"Administrar BEM o dinheiro" ao invés de "não administrar o dinheiro"
Tem gente que diz "quando eu ficar rico eu começarei a administrar meu dinheiro" e o autor afirma que você só conseguirá ganhar mais quando conseguir administrar o que já tem em mãos.

Ele também sugere uma dica: dividir seu $ conforme mostra abaixo:
  • 10% DIVERSÃO (lazer)
  • 10% LIBERDADE (seria sua liberdade financeira, nesse $ você nunca mexerá)
  • 10%POUPANÇA PARA DESPESAS LONGO PRAZO
  • 10% INSTRUÇÃO FINANCEIRA
  • 50% NECESSIDADES BÁSICAS (despesas)
  • 10% DOAÇÕES (é, tem gente que gasta tudo que tem em doações).

O autor também aconselha a fazer um "pote" da liberdade financeira onde você deposita todo dia uma quantia X de dinheiro, pode ser até centavos o que importa é o hábito diário de poupar.



Arquivo nº 15

"Fazer o $ trabalhar por mim" ao invés de "trabalhar para meu dinheiro"
Este arquivo de riqueza fala sobre fazer investimentos, comprar ativos (bens e coisas que trarão dinheiro no futuro) em vez de passivos. Enfim... Fazer coisas para seu dinheiro trabalhar por você e você ter uma aposentadoria feliz.


Arquivo nº 16

"Agir apesar do medo" ao invés de "estagnar-se"
O autor parte do princípio que para enriquecer você deve fazer diferente do que está fazendo e adotar uma nova postura e posicionamento. E isso é onde muitas pessoas travam, pois qualquer mudança causa desconforto... E é onde há a diferenciação entre uma pessoa bem sucedida e uma mal sucedida, as bem sucedidas agem apesar do medo, apesar do desconforto.


Arquivo nº 17

"Aprimorar-se o tempo todo" ao invés de "achar que sabe de tudo"
O autor garante que se você acha que sabe de tudo, provavelmente não está rico. Pessoas bem sucedidas vivem em constante aprendizagem.

------




E agora oque fazer?

O autor finaliza o livro dizendo que o "desespero" e a "incerteza" é a resposta da nossa mente condicionada. Ele pede que você faça os exercícios, trace metas e enriqueça.

O autor também pede que esse livro seja lido mensalmente durante o prazo de um ano.

Eu quis escrever sobre o livro para que muita gente tenha oportunidade de conhecer mais do livro e sinta-se empolgado em adquiri-lo. Você consegue baixar da internet sossegado, mas, eu aconselho a compra-lo mesmo, assim você pode sublinhar, fazer anotações e ler em diversos lugares. É um livro bem barato, você encontra de R$ 10,00 a R$ 20,00 por aí.


Eu ainda não enriqueci, rs, mas desde que comecei a seguir os conceitos do livro (2008), com certeza minhas finanças mudaram muito. Nunca mais entrei em dívidas, nunca mais fiquei no vermelho, tenho minha grana pra viajar e presentear todo mundo no final do ano, comprei minha moto e ainda guardo uma boa grana pra poder mobiliar meu apto!!! Mas calma, já já eu enriqueço, afinal EU TENHO UMA MENTE MILIONÁRIA.

Beijos.
-->

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Livro: Os Segredos da Mente Milionária

Turma!!!
Em meu novo Blog (Sim, fiz um novo e agora definitivo) postei sobre o livro os Segredos da Mente Milionária. Quem quiser conferir o resumo (aliás, descrevi praticamente o livro todo) apareçam por lá.


Beijos!!!

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Simplesmente Amor

Amor. Ahhhh, o amor! Que enche o coração dos mais jovens e apazigua o coração dos mais velhos... Não necessariamente nessa ordem haha!

É esse o tema de hoje pra vocês aqui no Tons de Pêssego ;]

_______________________________________________________

By Will Pauley (vulgo membro masculino honorário do TP xD)


“Amor é fogo que arde sem se ver
É ferida que dói e não se sente
É um contentamento descontente
É dor que desatina sem doer”
(Luíz V. de Camões)



Definindo o Amor

Amor. Palavra originada do latim e que possui uma porção de significados na nossa língua portuguesa – assim como em diversas outras. Pode significar afeição, compaixão, misericórdia, atração, desejo. Mas, comumente, o conceito popular descreve o amor como um vínculo emocional com alguém ou com algum objeto. E é através desse sentimento abstrato que desenvolvemos uma porção de sensações e estímulos da quais, muito provavelmente, o ser humano não viveria sem.

Embora o amor seja narrado de tantas formas (havendo palavras específicas em grego e latim exatamente para fazer a distinção delas), há um conceito consensual sobre o amor original. Não importa a classe, raça ou religião, nem mesmo o tipo de amor em evidência ou por quem ele é sentido. O amor, obrigatoriamente, deve ser permitido. É uma permissão quase sempre concedida tão naturalmente que ninguém para pra pensar muito nela – mas, existe. É a tal da recíproca. Portanto, se alguém realmente te ama, é porque você permitiu.


Te amo é bom dia?

Trazendo um pouco dessa teoria ao nosso cotidiano, vamos nos deparar com outra questão em andamento paralelo: Dizer “Eu Te Amo”. Com o advento da internet, expressar algo assim passou a ser mais comum (pra não dizer banal) e culminou na máxima que nomeia uma comunidade do Orkut, “Te amo não é bom dia!”. Concordo e discordo. É ruim atribuir um sentimento tão nobre a qualquer um que se conhece pela frente, mas creio que seja uma frase digna pra se ouvir com a sinceridade de quem te ama no dia a dia. E mais de uma vez por dia. Isso me leva a uma antiga conversa com a Ana (aqui do blog).

Certa vez, um conhecido dela dizia que evitava o discurso do “eu te amo” com freqüência porque a namorada já sabia disso, e que guardava as três palavrinhas para ocasiões especiais. Senão, o que diria quando quisesse expressar o seu amor de verdade? Ok, inovar sempre é bom. Mas pense na hipótese de beleza: Qual pessoa – especialmente mulher – não gosta de ouvir o quanto está bonita hoje? E amanhã? E depois de amanhã? É algo reconfortante, faz bem pra auto-estima, pra saúde e pro ego. Portanto, o ruim da história não é o “minha nossa, como você está linda!” de segunda a segunda. O ruim é quando não há nada agregado nisso, sejam atitudes, emoções, ou afins. E quando não é sincero.

Mas, se você realmente ama alguém, por que dizer amanhã o que se pode dizer hoje? Tá esperando morrer, é? Estudos comprovam que pessoas que se sentem amadas são mais felizes, e que ouvir ou dizer “eu te amo” sete vezes por dia é uma bela forma de manter-se alegre. Então, por que não somar isso há outros fatores surpresas? Há várias outras coisas capazes de expressar o quão você está satisfeito com sua companhia. Frases, cartas, presentes, ou simplesmente olhares, gestos, carinhos... Às vezes, o silêncio realmente vale mais do que mil palavras – ou três, no nosso caso. E outra: Não existe essa coisa de “dia especial”. Pra quem ama, o amor é um sentimento contínuo no qual todo e qualquer momento pode ser especial.


A Teoria Triangular do Amor

Como você já deve ter percebido que o meu foco é relacionamentos – como sempre – vou falar de uma parte substancial baseado na teoria de Sterneberg, com o amor dividido em três elementos básicos – intimidade, paixão e compromisso. Observem:

• Amizade (intimidade)
• Limerence (paixão)
• Amor vazio (compromisso)
• Amor romântico (intimidade + paixão)
• Companheirismo amoroso (intimidade + compromisso)
• Amor fugaz (paixão + compromisso)
• Amor consumado (intimidade + paixão + compromisso)

A intimidade está ligada a troca de informações que você pode ter com alguém, ao ponto de conhecê-la culturalmente, emocionalmente, ou fisicamente. A paixão é geralmente o desejo, a vontade de estar junto do outro indivíduo e de querer receber a felicidade que dele provém. Por fim, o compromisso (que deriva da palavra “promessa”) é o que os casais fazem com troca de palavras, alianças e celebrações, prometendo sua fidelidade e lealdade um ao outro. A junção destes três pilares seria o amor pleno, completo, com empatia e companheirismo na medida certa.

Partindo desse ponto de vista, é sabido que a paixão costuma ser passageira, e é exatamente por isso que muitos relacionamentos acabam nos primeiros meses. Enquanto, no começo, uma atração desmedida é geralmente criada (muitas vezes até chegar à relação sexual), são outros os fatores determinantes que dão prosperidade a relação – sobretudo, aqueles que tangem as qualidades, defeitos, e os objetivos de vida que cada um tem. Mas, se esses quesitos passam a ser tolerados e se a busca pela felicidade nutre das mesmas idéias e ideais, o casal ganha mais um ponto a seu favor e cria um laço único de confiança.

Ainda sou defensor do diálogo como chave de um “relacionamento perfeito”, por ser o único modo de você compreender alguém com eficácia. Ou seja, não adianta achar que fulano gosta disso ou daquilo só pelo chute, é muito importante conversar, conversar e conversar mais um pouco! Se você encontra alguém com quem, digamos, quer “viver pra sempre”, eu tenho a nítida impressão que esses devaneios particulares deveriam ser prazerosos. Se não são, então algo está errado. E se você não acredita na benevolência do amor, eu poderia afirmar que é por já ter sofrido ou se frustrado com isso, mas não pela falta de vontade em querer que alguém te ame. Certo?


Ame. Apenas ame.

Enfim, todos carecem de amor. Todos querem reconhecer esse sentimento em si e nos outros, não importando idade ou sexo. O amor é vital para nossas vidas como o ar, e é notoriamente reconhecido que, sem amor, nenhuma criatura sobrevive. E, com amor, trazemos equilíbrio e paz de espírito aos nossos corações.

Pra finalizar com um panorama geral, eu cito isso:

“Sempre que fico triste com o estado do mundo, eu penso sobre o portão de desembarque do aeroporto de Heathrow. A opinião geral nos faz acreditar que vivemos num lugar de ódio e ganância, mas eu não vejo assim. Me parece que o amor está em toda parte. Muitas vezes não é particularmente interessante ou digno, mas ele está sempre lá – pais e filhos, mães e filhas, maridos e esposas, namorados, namoradas, velhos amigos. Quando os aviões atingiram as Torres Gêmeas, pelo que sei, nenhum dos telefonemas das pessoas a bordo foram mensagens de ódio ou vingança – foram todas mensagens de amor. Se você olhar pra ele, eu tenho um pressentimento que você descobrirá que o amor, realmente, está todo ao seu redor.”

Não há receita de bolo, mas... Simplesmente ame.


Nota: O título e a citação são menções ao filme britânico "Love Actually", traduzido aqui como "Simplesmente Amor". Recomendo! =]

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Ficar ou namorar?

Boa noite pessoas! Tudo bem?

Antes que alguém pergunte, sim, é um homem que está escrevendo isso aqui. E não, vocês não estão no lugar errado rs... Digamos que todo ano novo trás coisas novas - e que as donas do blog vão com a minha cara haha! Sendo assim: Will, novo colaborador e presença honorária masculina do Tons de Pêssego. Prazer! ;D

E pra começar com minhas contribuições úteis (ou não), aqui vai um texto bem sintético sobre o meu ponto de vista da eterna dúvida de muita gente. Ficar ou namorar? Eis a questão!
__________________________________________________________

Com o perdão do trocadilho, sou uma pessoa apaixonada pelo assunto “relacionamentos”. Não só do ponto de vista amoroso. Gosto de entender sobre pessoas e a maneira que lidam umas com as outras – embora isso seja uma tarefa extremamente árdua. Não é à toa que as profissões da área de humanas às vezes são discriminadas. Elas não são exatas e contam com o fator “humano”, uma influencia mutante.

E dentro deste contexto, obviamente, nós entramos na história da “metade da laranja”, da “tampa da panela”, entre outras definições mezzo-bregas. A busca por alguém que te completa ou te acrescenta parece algo não só natural à nós, mas a qualquer espécie viva na face do planeta. Algumas mais fiéis, outra menos. Algumas mais românticas, outras nem tanto. Parece até que o homem é uma mistura de tudo isso, né?

Mas indo direto ao ponto. Se você for uma mala ambulante, talvez vá me dizer que existem outros tipos de compromisso. Porém, vamos nos ater apenas a esses dois que sintetizam um relacionamento aberto e um relacionamento mais sério: Ficar ou namorar? Ter a possibilidade de se envolver com diversas pessoas superficialmente ou apenas com uma de maneira mais profunda? Existe uma opção melhor?

Aqui eu tenho que confessar uma coisa engraçada. Apesar da minha queda pela liberdade, individualidade (e um número baixo de envolvimentos sérios) sempre defendi o namoro como uma opção melhor – ao menos, um namoro saudável. Talvez seja porque o pouco que tive refletiu de uma maneira muito forte na minha personalidade, ou ainda porque – como o psicólogo alheio – senti que meus amigos amadureciam mais nesse tipo de relação.

Tá, mas não estou condenando os ficantes não! Quando você está sozinho (na adolescência, principalmente) é uma maneira interessante e válida pra se divertir, conhecer gente nova, conhecer a si mesmo. Na falta da “pessoa certa”, sair com pessoas não tão certas pode ser legal! De repente você até esbarra com uma que tem aquela “química” compatível com a sua. Senão, você aproveitou a provável noite da melhor maneira que poderia.

Aproveitou. Aqui jaz o principal detalhe que torna o ato de ficar imperfeito. Se nem só de pão vive o homem, também nem só de “pegação” ele vive. Prazer por prazer é algo passageiro e quem já foi baladeiro nesse sentido sabe. A sensação de vazio no dia seguinte, pra quem espera o mesmo sentimento de quando adormeceu, é absurda. É como uma droga mesmo. Você usa, endoidece, e a abstinência surge na sobriedade.

“E o namoro?”. Olha, depende do namoro. É claro que tudo possui um ponto positivo e negativo. Entre os negativos, namorar significa ser fiel a alguém, único pra alguém, e vice-versa. Pode não ser um problema pra quem ama de verdade e já achou a pessoa certa, mas soa como um insulto aos corações desapaixonados. Porém, acredito que a principal dificuldade é na verdade o exercício de “se relacionar”. Conseguir que um entenda a mente do outro. Conversar.

Muitos namorados não conversam como deveriam. Não se abrem a respeito daquilo que os interessam ou afligem. Não falam sobre o passado, não falam sobre a família, não falam sobre sexo. Mulheres ainda têm o dom de “falar”, puxar assunto, mas homens pecam horrores nesse aspecto (nem todos, convenhamos rs). O diálogo é talvez a principal perícia que uma pessoa deve ter pra se dar bem com qualquer outra. Sendo assim, é claro que um casal que conversa bastante costuma ser mais feliz.

Também é importante que a essência de um casal esteja em algo além da pura atração, e contar com a história de que “os opostos se atraem” é balela. É muito mais agradável ter alguém do seu lado que gosta do que você gosta, que vai poder apreciar os mesmo tipo de comida, curtir aquele artista que ambos adoram, ver filmes de comum agrado. O que, claro, não a impede da companhia lhe mostrar coisas novas, novos horizontes, uma troca mútua e que só vai acrescentar aos dois.

A grande moral da história, parando pra pensar, é que além da paixão e amor – básicos de um relacionamento – o maior pilar é a confiança. E conhecer quem está do seu lado é uma forma de, naturalmente, confiar e deixar que confie em você. É uma coisa que se conquista com o tempo, com atitudes, com dedicação, com sinceridade – e com conversas. E é exatamente o valor de tudo isso que supera de longe qualquer vínculo mais aberto. Uma ligação única com alguém que você ama acima de tudo.

Acho que eu poderia falar por mais algumas páginas sobre este assunto, mas, seja ficar, namorar, casar ou o que preferir, o importante é estar feliz com você. Se ser solteiro te agrada, divirta-se! E se a sua companhia lhe arranca sorrisos, passe mais tempo com ela! Aproveite o que há de melhor naquilo que você tem. Conquiste, ou deixe-se ser conquistado. Porque, uma hora ou outra, o amor vai te conquistar.