terça-feira, 9 de dezembro de 2008

O dom de ser desagradável.

Prólogo...


Minha chefe é uma mulher que se veste muito bem. Está sempre impecável, sempre bonitona. Quase todos os dias ela me surpreende vindo com umas roupas que deixam ela muito bonita mesmo e quando isso acontece eu elogio a roupa dela e falo "Como você está bonita hoje Raquel, gostei da sua roupa."


Do mesmo jeito que elogio ela, faço a mesma coisa com todo mundo que eu vejo que faz algo bem, ou se veste bem , escreve bem, qualquer coisa. Esses dias a Jéssica que trabalha com a gente tinha prendido o cabelo com trancinha e ficou muito bem pra ela, e eu falei a mesma coisa... "como vc ficou bonita de cabelo com trança venha mais vezes assim...".


Minha Chefe olhou pra mim, depois que ela saiu e me disse: "Sabe uma coisa que eu acho legal em você? Você sempre tem uma coisa boa pra falar pra todo mundo. Isso é muito bom."


Na hora eu pensei "ué... se não for coisa boa, pq então eu deveria falar pra alguém?". Daí mais tarde... naquelas horas que a gente tá com a cabeça vazia, comecei a pensar naquilo que ela me disse... E cheguei a seguinte conclusão: Tem muita gente que tem o dom de ser desagradável.


Agora sim... o Post...



Se tem uma coisa que eu sempre fui foi Pollyanna... aquela menina que vê lado bom em tudo e em todas as pessoas... Que ignora as coisas ruins e procura o melhor que alguém pode ter. Faço isso bem... não é a toa que eu conquisto todo mundo onde vou passando ahahahahah. Sempre dizem que eu tenho carisma, que sou dada e tudo mais... Eu sou mesmo porque eu gosto disso, é natural pra mim.


As pessoas pra mim são muito mais importantes que "quem é mais inteligente", "quem está com a razão", "quem ganhou o jogo", "quem é a bolacha mais gostosa do pacote". Então manter uma pessoa PRA MIM vale mais que muita coisa.


Vocês nunca vão me ver criticando um ponto de vista tão forte quanto aconteceu comigo em "Ensaio contra a cegueira". Ninguém nunca vai me ver batendo de frente sobre capitalismo ou socialismo (eu sou 100% capitalista) ou qual é o melhor partido político. Como ninguém também nunca vai me ver falando mal do Corinthians (mas do São Paulo eu falo, time de Bambi!)! Hahahahahahha.


E eu não entro nessas fortes discussões porque sou uma sem cultura que não sabe de nada, mas sim porque todas estas coisas (e muitas outras) não são 100% racionais, todas são ligadas a pontos de vista, cultura, valores, modo de ser aceito na sociedade e muitas outras coisas que são realmente assuntos delicados.


Ninguém discute x+2= 5 então X=3, discute? Porque é exato, só há uma interpretação. Agora qualquer outro assunto não há verdades são apenas brigas de ponto de vista, que nada mais são que brigas de EGO.


Acho que parte da confusão se dá por que aprendemos que temos de ganhar sempre... Estar por cima ou com a razão pode significar absolutamente NADA! É melhor (e com certeza muito mais difícil) tentar ensinar, tentar aprender, tentar ver o lado dos outros.


Se por acaso alguém chega e me fala "ai como Harry Potter é um lixo" (exemplo tosco) eu dou risada e penso "uma pessoa a menos na fila do cinema hahahaah" e não vou criar confusão por isso...


Eu to falando de opiniões, mas quantas pessoas não existem que implicam com seu gosto, com as coisas que você fala ou faz. Que implicam com tudo. Gente que perda de tempo...


Aquela pessoa que você fala bom dia e ela responde com "oque tem de bom"? Depois querem ser rodiadas de amigos... de que forma??? Ou então uma frase famosa: "Gosto é que nem braço, tem gente que não tem".


Que grosseria! Ninguém gosta de grosserias. O ser humano gosta de ser elogiado, de receber sorrisos, carinho, atenção. Por mais estúpido que seja a pessoa, por mais cult que seja, por mais paty, por mais nerds, por mais sei lá, anormal que seja a pessoa. Todo mundo quer ser bem tratado, todo mundo quer que as pessoas estejam a favor da gente. É assim que se conquista as pessoas...


Eu prometi no meu blog antigo colocar um texto que nem sei se cheguei a colocar... Vou copiar aqui porque fala exatamente desse tema. Não vou dizer quem é porque muita gente é influenciada pelo autor. Mas não é do Saramago ahahahah.


A história é +- a seguinte: A menina quer conhecer uma Igreja antiga, e um velho não deixa, diz que passou o horário. Ela fica triste, o velho sorri. O cara que tá com ela explica que ela é de outro pais. O velho não deixa. Oferece dinheiro. O velho não deixa. Então ele fala: Você que se dane eu vou entrar com ou sem sua permissão. Pega ela e entra. O velho fica parado olhando com cara de besta e não impede. Daí começa o trecho do livro.


- Não tenha medo Pilar... Você só não pode contracenar.

- Não sei oque é contracenar...

- Certas pessoas vivem brigadas com alguém, brigadas consigo mesmas, brigadas com a vida. Então elas começam a criar uma espécie de peça de teatro na cabeça e escrevem o roteiro de acordo com as suas frustrações. O problema é que elas não podem representar essa peça sozinha.

Então começam a convocar outros atores. Foi oque esse sujeito aí de fora fez. Queria se vingar de alguma coisa e nos escolheu para isto. Se tivéssemos aceitado sua proibição estaríamos arrependidos e derrotados. Teríamos aceito fazer parte de sua vida mesquinha e de frustrações.

A agressividade deste senhor era visível, foi fáci evitar que contracenássemos. Outras pessoas entretanto, nos convocam quando começam a se comportar como vítimas, reclamando das injustiças da vida, pedindo para que a gente dê conselhos... participe. Cuidado, quando a gente entra nesse jogo, quase sempre saímos perdendo.


Eu achei esse livro meio bosta, mas esse ´eum trecho que até hoje me marca. Vira e mexe me deparo com essas pessoas. Pior que muitas vezes me vejo nelas. Temos que nos policiar... Pq as vezes começa com uma vez ou outra... depois passa a ser sempre... até adquirirmos o dom de ser desagradável.